Agendando Desligamento Automático de Máquina Virtual no Azure (Auto-Shutdown)

Nesse pequeno artigo vamos deixar uma dica super importante para quem já trabalha com o Microsoft Azure. Todos nós sabemos que a hora computacional dentro dos serviços de nuvem, tem um valor financeiro alto e devemos ficar atentos nesse consumo quando não estamos utilizando algum tipo de serviço dentro de um servidor.

Sabendo das dificuldades dos usuários e administradores em criarem scripts para desligarem servidores e aplicações, a Microsoft criou uma ferramenta nativa dentro dos serviços do portal Microsoft Azure chamada “Auto-Shutdown”. Com ela podemos desligar qualquer máquina virtual, em qualquer horário e ainda enviar uma notificação por e-mail. Vamos ver como funciona essa ferramenta na prática.

Com a console de administração do Azure aberta, clique na máquina virtual que deseja programar o desligamento automático com a ferramenta Auto-Shutdown.

Em nosso exemplo abaixo, escolhemos a VM “Cluster01”:

Ao navegar nas ferramentas, você irá encontrar o “Auto-Shutdown”. Clique nela como mostramos na imagem abaixo:

Você deverá ativá-la no quadrado “On”, escolher o horário desejado e o fuso horário de seu país. Muito importante verificar se a VM está com o mesmo fuso para que isso funcione corretamente. Veja também que você poderá inserir um e-mail, para receber as notificações de desligamento das suas máquinas virtuais.

Essa é uma dica super simples que pode fazer você economizar muito dinheiro, diminuindo até 40% da hora computacional dos seus serviços em nuvem. Quando criamos ambientes de homologação, utilizamos muito essa ferramenta para economizar dinheiro em nossas assinaturas. Esperamos que essa dica ajude à todos os administradores que utilizam os serviços online da Microsoft.

Removendo Discos de Máquinas Virtuais no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos mostrar como remover discos de máquinas virtuais dentro do Microsoft Azure. Em alguns projetos em que trabalhamos, vivenciamos diversos cenários e encontramos ambientes desorganizados dentro do portal Microsoft Azure. A organização dos “Resource Group” é super importante para manter o ambiente organizado e principalmente fácil para encontrar e saber o que realmente está em uso dentro de suas Subscriptions.

Quanto maior o cenário, maior é a desorganização de recursos dentro do portal e maior os gastos no fim do mês em muitos recursos que não são utilizados. Vamos ver agora, como remover discos de uma máquina virtual e como “desatachar” um disco caso esteja em uso. Antes de remover o disco, precisamos saber se o mesmo está sendo utilizado em uma VM, para que assim, possamos“desatachar” com segurança esse disco. É muito importante conferir se o disco a ser “desatachado”não está sendo utilizado por serviços importante em sua VM. Se você estiver seguro sobre qual disco deve remover, clique na máquina virtual desejada como mostramos na imagem abaixo:

Confira o nome do disco e clique no ícone para “desatachar”. Salve as configurações conforme mostramos na imagem abaixo:

Na página principal do portal onde mostra todos os recursos, clique em “see more” conforme mostramos na imagem abaixo:

Você verá todos os recursos existentes no Microsoft Azure. Muito importante filtrar os recursos antes de excluir, vamos fazer um filtro para mostrar apenas os discos e não ter erro na exclusão. Veja na imagem abaixo que escolhemos varrer as 3 Subscriptions que possuímos no portal:

Nessa etapa, escolhemos apenas o grupo “Storage”, pois sabemos que todo armazenamento de disco está dentro dele. Se você não sabe exatamente o local onde está armazenado os discos, poderá selecionar todos ou mais de um item.

Escolhemos apenas “Discos”, pois é o que estamos querendo deletar das nossa VMs. Confira na imagem abaixo:

Selecione o disco que deseja analisar e deletar:

Fique atento no estado do disco. Veja que na imagem abaixo, o disco selecionado já encontra-se“desatachado”, isso significa que nenhuma VM está utilizando o mesmo e poderá ser removido. Se tentar deletar um disco “atachado”, o Azure vai reclamar que está em uso e você deverá fazer o passo que mostramos no início desse artigo. Quando estiver ciente de que o disco a ser removido está correto, clique em “DELETE” para finalizar a remoção.

Esse tipo de organização, ajuda a diminuir os custos em alocação de disco e mantem a organização dos seus projetos e serviços de clientes. Sempre faça uma revisão semanal para manter apenas o que está ativo e necessário dentro do portal. Esperamos que essa pequena dica ajude os administradores que utilizam os serviços do Microsoft Azure.

Configurando Azure Sync Files (Microsoft Azure)

​Nesse artigo vamos mostrar como configurar o File Sync no Microsoft Azure. O servidor de arquivos na nuvem é sempre um serviço muito procurado pela maioria das empresas e o Microsoft Azure vem com o tempo aprimorando esses serviços para uma melhor experiência com o monitoramento e gerenciamento dos arquivos. Recentemente a Microsoft lançou o “Azure File Sync”, onde podemos criar grupos de servidores locais para criarmos um servidores de arquivos entre nossa estrutura de disco físico para a estrutura de nuvem. A ferramenta ainda está na versão “Preview” e ainda pode sofrer diversas alterações, mas vamos mostrar qual a ideia e como instalar o seu “Azure File Sync” de forma simples e objetiva.

Logado na console do Microsoft Azure, digite na pesquisa “Azure File Sync” para encontrar a ferramenta:

Clique em “Create”:

Nessa etapa você irá escolher as seguintes opções:

  • Nome Storage Sync: Wenz-Files
  • Subscription: Escolha a assinatura que receberá os serviços
  • Resource Group: Grupo para organização de serviço
  • Location: Local geográfico para hospedagem

Quando escolher todas as opções, clique em “Create”, como mostramos na imagem abaixo:

Nossa primeira configuração, será o registro do servidor que queremos trabalhar como“Servidor de Arquivos” com o nosso portal do Microsoft Azure. Para que esse sincronismo funcione, devemos instalar um cliente em nosso servidor. Esse cliente será disponibilizado dentro do Storage Sync para download. Efetue o download da ferramenta, como mostramos na imagem abaixo:

Você será redirecionado para o site da Microsoft.

Escolha a versão correta para rodar em sua plataforma de Windows Server. Em nosso exemplo, utilizamos o Windows Server 2016.

Após download, execute o “Storage Sync Agent” e siga o processo básico de instalação:

Aceite os termos e clique em “Next”:

Escolha o caminho de instalação e clique em “Next”:

Selecione a opção que desejar sobre update e clique em “Next”:

Clique em “Next”:

Aguarde o processo de instalação:

Ao final da instalação, iremos receber a mensagem que não possuímos o AzureRMinstalado em nosso servidor. Veja a imagem abaixo:

Para instalar o AzureRM, abra o Powershell em modo elevado, e cole a linha de comando abaixo:

Install-Module AzureRM

Para mais informações, acesse o link abaixo:

https://docs.microsoft.com/pt-br/powershell/azure/install-azurerm-ps?view=azurermps-4.4.0

Aguarde o processo de instalação:

Se tudo ocorrer bem, você verá que o seu servidor estará pronto para ser registrado. Para registrar o seu servidor, vamos entrar com a nossa conta do portal Microsoft Azure. Clique em “Sign in”:

Insira suas credenciais do portal Microsoft Azure:

Escolha a “Subscription” que será instalado esse recurso, o seu “Resource Group” e o nome do “Storage Sync Services”:

Pronto! Seu servidor foi registrado com sucesso.

Voltando ao portal de administração do Microsoft Azure, iremos encontrar o nosso servidor registrado. Confira na imagem abaixo:

Vamos agora criar o ponto principal que é o nosso “Sync Group”. Esse recurso vai criar uma pasta compartilhada entre o portal do Azure nosso servidor registrado.

Preencha as seguintes opções:

  • Sync Group Name: Nome do grupo de sincronismo
  • Subscription: Assinatura que deverá acolher esse serviço
  • Storage Account: Você deverá já possuir sua “Storage Account” criada
  • Azure File Share: Compartilhamento que está dentro do seu Storage Account

Quando tudo estiver de acordo, clique em “OK”:

Prontinho! Seu grupo está criado e pronto para ser utilizado.

Agora devemos adicionar o nosso servidor ao nosso endpoint. Com esse procedimento, vamos vincular nosso Storage Account com o nosso servidor registrado. Clique em “Add Server Endpoint”, como mostramos na imagem abaixo:

Preencha as seguintes opções:

  • Register Server: Escolha o servidor registrado que deseja vincular
  • Path: Caminho de dados do servidor físico registrado
  • Cloud Tiering: Definir espaço limitado ao servidor de arquivos

Veja que o caminho C:\Dados, pertence ao caminho do meu servidor físico. Ao criar alguns arquivos na raiz da minha unidade, todos os seus dados serão automaticamente migrados ao portal do meu Microsoft Azure.

Veja na imagem abaixo que conseguimos visualizar todos os arquivos do mapeamentoC:\Dados do nosso servidor físico. Sendo assim, temos um espaço vinculado entre a máquina física e nosso Storage Account. Caso o servidor físico seja perdido, todos os meus dados estarão na nuvem. A velocidade de upload é bem rápida em uma internet de boa qualidade, e a velocidade de acesso é local, pois você terá os seus arquivos também na unidade de disco física.

Esse recurso é novo, ainda está na versão Preview e poderá sofrer diversas alterações. Esperamos que essa dica ajude a todos os administradores que utilizam os serviços do Microsoft Azure.

Serviço de Gerenciamento no Microsoft Azure (E-mail Alerts)

Nesse artigo vamos falar sobre um excelente recurso de gerenciamento disponibilizado no Microsoft Azure. O “Serviço de Gerenciamento” é um dos recursos mais procurados e utilizados pelos administradores de redes em um cenário de pequeno até grande porte. O recurso permite ao administrador criar regras de alertas dos seguintes itens:

  1. Armazenamento
  2. Banco de Dados SQL
  3. Máquina Virtual
  4. Serviço de Nuvem
  5. Site
  6. Serviço Móvel

Para criar sua primeira regra, clique em “Serviços de Gerenciamento” no menu lateral e depois em “Adicionar Regra”, como mostra a imagem abaixo:

Em nosso exemplo, escolhemos a opção “Máquina Virtual” para monitorarmos:

Na próxima etapa, você poderá escolher o tipo de métrica que deseja monitorar como:

  1. Bytes Gravados em Disco
  2. Bytes Lidos em Disco
  3. Entrada de Rede
  4. Porcentagem de CPU
  5. Saída de Rede
Em nosso exemplo, escolhemos a opção “Porcentagem de CPU” e o valor “100”. Quando nossa CPU chegar a 100% de processamento, vamos receber um alerta via e-mail. Insira um e-mail alternativo se desejar para receber seus alertas. Quando estiver certo que sua regra está de acordo com o que desejar, clique em “Concluído”:

Aguarde a criação da regra. Esse procedimento ficará pronto em segundos.

Pronto! Sua regra está criada. Observe que o “Status” aparecerá como “Não ativado”, isso significa que ainda não foi utilizada e a máquina está com a CPU trabalhando normalmente sem Stress.

Ao efetuar o Stress em nossa CPU e deixá-la em 100% de consumo, o Status modificará para “Ativo” e logo um e-mail de alerta chegará no endereço principal e alternativo (Caso seja configurado).

Veja o e-mail que recebemos após o Stress de nossa CPU.

Esse é um dos itens que podemos monitorar no Microsoft Azure. Um serviço de extrema importância e muito requisitado pelos administradores de rede e infraestrutura. Esperamos que seja uma ótima dica para quem utiliza os serviços online da Microsoft.

Configurando Serviço de Recuperação no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos falar sobre a segurança de seus arquivos e itens dentro dos serviços online da Microsoft. Ainda muitas dúvidas são citadas em reuniões de implantação, conversas entre profissionais de como efetuar backup e assegurar confiança em serviços de nuvem. Mostraremos nesse post uma pequena demonstração de como configurar um serviço de recuperação dentro do Microsoft Azure.

Acessando o portal de administração do seu Microsoft Azure, clique em “Serviços de Recuperação” no menu lateral e crie um novo “Cofre”. Esse cofre será o início do nosso registro de armazenamento de backup online.

O Microsoft Azure nos possibilita duas opções de backup sendo elas: Site Recovery e Cofre de Backup. Em nosso exemplo escolhemos opção Cofre de Backup. Insira um nome ao seu cofre e escolha a região onde o mesmo será provisionado, como mostra a imagem abaixo.

Após criarmos o cofre, devemos efetuar 2 downloads que são:

  • Agente de Backup do Azure para Windows Server e Data Protection Manager;
  • Arquivo de Credenciais para autenticação do cofre.

Salve os arquivos em locais separados, pois precisaremos deles mais a frente.

Primeiro rode o agente para iniciarmos a conexão com nosso serviço online do Microsoft Azure:

Selecione o local de instalação e cache e clique em “Next”:

Se possuir configurações de proxy, você poderá selecioná-las e criar as regras necessárias para acesso e liberação de portas. Em nosso caso a conexão não possui proxy, então continuaremos com as configurações padrões:

Selecione as opções que deseja sobre atualizações automáticas e clique em “Next”:

Se os requisitos de Powershell e Net Framework passarem, clique em “Install”:

Após a instalação com sucesso, devemos efetuar o registro do nosso servidor para a nuvem. Clique em “Proceed Registration”:

Lembre do download que fizemos no início desse artigo ? Vamos agora utilizá-lo. Clique em“Browse”  e procure o download das credenciais que efetuamos dentro do portal do Microsoft Azure.

Com o arquivo selecionado, clique em “Next”:

Você deve gerar uma senha no mínimo com 16 caracteres. Como é uma senha um pouco grande, podemos gerar automaticamente, clicando em “Generate Passphrase”. Selecione um local onde a senha será salva e clique em “Finish”:

Importante: Essa senha não pode ser perdida, pois é sua chave para o contato do seu servidor com os serviços online no Microsoft Azure.

Como a senha não �� exibida na digitação por segurança, um arquivo de texto é gerado no local escolhido por você. Confira na imagem abaixo:

Pronto! Seu servidor está registrado e poderá receber seus itens de backup para serem armazenados dentro do Microsoft Azure.

Neste tutorial mostramos como configurar o “Serviço de Recuperação” no Microsoft Azure. Outros artigos relacionados a essa ferramentas serão criados, para facilitar o entendimento dessa maravilhosa ferramenta online da Microsoft.

Serviço de Gerenciamento no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos falar sobre um excelente recurso de gerenciamento disponibilizado no Microsoft Azure. O “Serviço de Gerenciamento” é um dos recursos mais procurados e utilizados pelos administradores de redes em um cenário de pequeno até grande porte. O recurso permite ao administrador criar regras de alertas dos seguintes itens:

  1. Armazenamento
  2. Banco de Dados SQL
  3. Máquina Virtual
  4. Serviço de Nuvem
  5. Site
  6. Serviço Móvel

Para criar sua primeira regra, clique em “Serviços de Gerenciamento” no menu lateral e depois em “Adicionar Regra”, como mostra a imagem abaixo:

Em nosso exemplo, escolhemos a opção “Máquina Virtual” para monitorarmos:

Na próxima etapa, você poderá escolher o tipo de métrica que deseja monitorar como:

  1. Bytes Gravados em Disco
  2. Bytes Lidos em Disco
  3. Entrada de Rede
  4. Porcentagem de CPU
  5. Saída de Rede
Em nosso exemplo, escolhemos a opção “Porcentagem de CPU” e o valor “100”. Quando nossa CPU chegar a 100% de processamento, vamos receber um alerta via e-mail. Insira um e-mail alternativo se desejar para receber seus alertas. Quando estiver certo que sua regra está de acordo com o que desejar, clique em “Concluído”:

Aguarde a criação da regra. Esse procedimento ficará pronto em segundos.

Pronto! Sua regra está criada. Observe que o “Status” aparecerá como “Não ativado”, isso significa que ainda não foi utilizada e a máquina está com a CPU trabalhando normalmente sem Stress.

Ao efetuar o Stress em nossa CPU e deixá-la em 100% de consumo, o Status modificará para “Ativo” e logo um e-mail de alerta chegará no endereço principal e alternativo (Caso seja configurado).

Veja o e-mail que recebemos após o Stress de nossa CPU.

Esse é um dos itens que podemos monitorar no Microsoft Azure. Um serviço de extrema importância e muito requisitado pelos administradores de rede e infraestrutura. Esperamos que seja uma ótima dica para quem utiliza os serviços online da Microsoft.

Efetuando Download Máquina Virtual (.VHD) no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos mostrar um simples procedimento para efetuarmos o download do .VHD de sua máquina virtual dentro dos serviços Microsoft Azure. Isso é muito importante para quem deseja efetuar o backup completo de sua máquina e trazer sua estrutura de nuvem para estrutura física.

Para iniciarmos o processo, efetue o login em seu portal de gerenciamento e clique na guia “Virtual Machines” e depois em “Disks”. Veja que cada máquina virtual existente, possuímos uma URL com o endereço online do nosso .VHD. Vamos clicar no ícone “Copy” como mostra a imagem abaixo e continuar.

Em nossa máquina local, será necessário o módulo Microsoft Azure PowerShell instalada. Você deverá baixar a Microsoft Web Platform Installer que encontra-se no link abaixo com maiores informações sobre a mesma:

http://azure.microsoft.com/pt-br/documentation/articles/install-configure-powershell/

Após download e instalação do Microsoft Azure PowerShell, digite o comando “add-azureaccount” para conectarmos em nossa conta do Microsoft Azure. Insira suas credencias e vamos continuar com o processo.

Caso o login seja efetuado com sucesso, a tela será apresentada como mostramos abaixo:

Para efetuarmos o download da máquina virtual desejada, devemos ter em mãos a URL da mesma. Na primeira etapa em nosso artigo copiamos a URL e agora vamos inseri-la no comando:

Save-AzureVhd -Source https://portalvhds03t41nnhg3x79.blob.core.windows.net/vhds/Wenz-VPN-Wenz-VPN-2014-10-06.vhd -LocalFilePath C:\vhd\MyWin7Image.vhd

Você poderá trocar o caminho onde o arquivo .vhd será baixado.

O tempo de download deverá variar de acordo com o link de internet contratado e o tamanho atual da máquina virtual. Existem outros comandos para copias de arquivos e esse mais simples e objetivo. Nós próximos posts vamos mostrar comandos mais complexos.

Configurando RemoteApp no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos falar sobre essa excelente ferramenta “RemoteApp” dentro do serviço online do Microsoft Azure. O configuração ficou muito simplificada e com visual intuitivo. Para criar um ambiente de “RemoteApp”, entre em “App Services” e depois em “RemoteApp”. Em nosso exemplo, escolhemos a opção “Quick Create”. Já está disponibilizado a criação com VPN, caso possua uma rede virtual VPN criada dentro do Microsoft Azure.

Existe alguns pacotes pré-definidos como por exemplo o “Pacote Office”. Escolhemos esse pacote office em nosso exemplo. A criação do ambiente pode demorar alguns minutos, dependendo do tipo de conexão escolhida e aplicação para seu RemoteApp.

Após a criação do ambiente, será apresentado um link download do “Microsoft RemoteApp Client”. Segue link abaixo:

https://www.remoteapp.windowsazure.com/

Inicie a aplicação e clique em “Get Started”:

Suas credenciais serão exigidas para conexão com seu ambiente RemoteApp.

Pronto! Seus aplicativos estão prontos para serem utilizados. Você poderá incluir outros aplicativos e visualizar em seu cliente em questão de segundos. A velocidade de abertura dos aplicativos é sensacional.

Realmente a facilidade de criação desse ambiente RemoteApp ficou visível. Esperamos que esse pequeno artigo ajude a todos os administradores que estão migrando para a nuvem com os serviços online da Microsoft.

Acessando Estrutura FTP de um Site no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos mostrar como acessar a estrutura de pasta de um site criado dentro do Microsoft Azure. Muitas dúvidas foram aparecendo durante esses últimos meses de como acessar a estrutura FTP  de um site, criada pelo serviços online do Azure. Quando geramos um site no Microsoft Azure, todos os endereços são disponibilizados no painel direito, mas as credencias de FTP ficam no aguardo de uma redefinição de senha para implantação e primeiro acesso. Enquanto essa senha não for alterada o acesso ao FTP fica indisponível.

Confira na imagem abaixo, onde redefinir suas credenciais de implantação, para ter o acesso a estrutura de pasta FTP do seu site no Microsoft Azure:

Aguarde a tarefa ser concluída, como mostramos na imagem abaixo:

Depois que suas credenciais foram alteradas, veja que aparecerão conforme mostra a imagem abaixo:

Você poderá utilizar qualquer FTP cliente e colocar endereço disponibilizado pelo Microsoft Azure. Veja na imagem abaixo o acesso efetuado via navegador:


Com esse procedimento, você poderá efetuar a manutenção em sua estrutura de site. Esperamos que essa dica ajude a todos que estão iniciando seus trabalhos e implantação dentro dos serviços online da Microsoft.

Limpando Armazenamento (Blob) no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos mostrar como efetuar a limpeza do armazenamento dentro do Microsoft Azure. Toda máquina virtual que criamos ou até mesmo um utilitário de monitoramento, podem criar “Containers” e isso pode gerar uma desorganização dentro do seu ambiente de nuvem.

Uma boa prática em nuvem, é sempre manter seu ambiente limpo e nunca deixar que discos que não são mais utilizáveis, soltos sem qualquer tarefa.

Clicando em armazenamento, você encontra seus repositórios de discos. Clique no qual deseja efetuar a limpeza, como mostramos na imagem abaixo:

Com o seu armazenamento aberto, clique em “Containers”, veja abaixo que temos um aplicativo de terceiro chamado “Azure Watch” e alguns VHDs:

Clicando em VHDs, percebemos que alguns deles não estão sendo mais utilizados por nenhum aplicativo ou máquina virtual, portando devemos excluí-los. É de extrema importância que, antes da exclusão, verifiquem pela data de última atualização ou até mesmo pela URL, para que não remova algo errado, causando perda de dados em seu ambiente Azure.

Encontrando o VHD correto para exclusão, clique em “Sim”, como mostramos na imagem abaixo:

Com esse procedimento, seu ambiente em nuvem, permanecerá sempre organizado e de fácil gerenciamento. Toda parte de armazenamento de VMS e aplicativos de terceiros, são encontradas nesse local. Espero que algumas dúvidas tenham sido esclarecidas e a dica seja aplicado a todos que utilizam os serviços online da Microsoft.